Em 2014, mais de 230 mil brasileiros deixaram o país para estudar fora, segundo uma pesquisa divulgada pela Belta, Brazilian Educational & Language Travel Association. Esse número mostra um aumento de 15% em relação a 2013, e tudo indica que o crescimento continuará durante este ano.

Nem a instabilidade da moeda ou o cenário econômico parecem balançar este mercado, que vem movimentando anualmente trilhões de dólares no Brasil. Se os Estados Unidos ou a Inglaterra parecem opções inviáveis, outros destinos como Canadá, Austrália e África do Sul começam a despontar como alternativas (não se esqueça de que para aprender inglês, você nem precisa sair de casa! A Open English te ajuda, se esse sonho não for viável agora, ok? 😉 ).

Se você está louquinho para entrar para esta estatística e alçar voos a outros países, é preciso ter consciência de que não basta uma mochila nas costas e muita vontade de viver uma grande aventura. Seu sonho não vai sair do papel sem muita pesquisa e planejamento.

O ponto de partida é reconhecer como anda seu inglês. Dá para se virar? Ou você não conseguiria dizer uma só palavra, nem que sua vida dependesse disso? Seja honesto e veja em que categoria você se encaixa. Dependendo dela, você tem mais ou menos chances de escolher o curso que quiser. Porque, sim, passar alguns meses estudando fora, não precisa se resumir a estudar inglês. Existem cursos incríveis que misturam a língua à gastronomia, arte, ciência e àquilo que você mais gostar. Se você ainda estiver na escola, isso significa cursar a high school, e para acompanhar as aulas de matemática, história ou química, você terá de prestar um teste de inglês, como o TOEFL, para comprovar que possui conhecimentos suficientes para entender as matérias. O mesmo serve para qualquer curso de extensão, faculdade, pós, MBA e assim por diante. Então, planeje sua viagem de maneira que você tenha tempo de estudar e passar no exame solicitado.

Todos os anos, praticamente durante o ano todo, acontecem no Brasil inúmeras feiras que apresentam instituições estrangeiras e os programas que as mesmas oferecem a alunos de todas as faixas etárias e níveis de inglês. Nelas também é possível participar de palestras e workshops para tirar todas as dúvidas sobre intercâmbio em inglês – de visto a acomodação. A maior e mais famosa dessas feiras é o Salão do Estudante. Visite o site e veja quando será o próximo evento e em que cidade ele acontecerá.

A questão financeira é outra que merece atenção redobrada. Dela vai depender uma série de escolhas, como o destino, o tipo de curso, sua duração, tipo de acomodação, tamanho da cidade onde você se hospedará, etc. Para te ajudar, a gente pegou algumas dicas da revista Viagem e Turismo, no blog dedicado a tirar dúvidas dos candidatos a intercambistas:

“Comece cotando as passagens e estipulando o valor que você está disposto a gastar em uma viagem dessas.

Fazer um curso entrando em contato direto com a escola e resolver os pepinos “pré-viagem” (visto, trocar dinheiro, passagem) por conta própria sai mais barato do que um intercâmbio por agência. Entretanto, a viagem por conta própria está sujeita a contratempos que uma agência poderia resolver por você (incluindo visto, passagem e outras burocracias). (…)

É indispensável estar com a documentação em dia e o visto adequado para o seu curso. Também é importante ter documentos oficiais da escola e das acomodações para comprovar suas “intenções” ao entrar em um novo país. (…)

Vale ficar de olho nas bolsas de estudo e aproveitar algumas facilidades que as agências e outras instituições oferecem para os intercambistas.

A CI, agência de intercâmbio, por exemplo, dá uma forcinha na hora de comprar a passagem. Jovens de 12 a 34 anos que comprovarem que estão matriculados em um curso no exterior com duração mínima de 2 semanas podem ter um desconto de até 15% e outras vantagens como flexibilidade na remarcação de datas e paradas gratuitas dentro da rota. 

Já a casa de câmbio Ourominas, oferece desconto na compra das principais moedas procuradas por quem vai estudar fora: euro e o dólar canadense, americano ou australiano. Basta apresentar um comprovante de estudo.”

Animado para começar a traçar seus planos? Comece ganhando tempo! Venha trabalhar no seu inglês aqui, na Open English, e fique pronto para atender as exigências de qualquer curso. A gente te ajuda a chegar lá!

Comentarios: